• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Sessão de Encontro com Autor

Código: P 076
Apresentação: Oral, segunda opção Pôster
Área Técnica: Plástica Ocular
Categoria / Classificação: Oftalmologia Cirúrgica
Região onde foi realizada a pesquisa: Sudeste

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

CONEP:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
NANOSKIN: USO PARA REPOSIÇÃO DE VOLUME NA CAVIDADE ANOFTÁLMICA

OBJETIVO:
Avaliar a biocompatibilidade da Nanoskin, incluída em cavidades enucleadas e evisceradas de coelhos, visando desenvolver propostas para a reparação da cavidade anoftálmica.

MÉTODO:
Estudo experimental, utilizando inclusão de Nanoskin, produzida por um processo biotecnológico e composta por uma mistura de bactérias e levedura do caldo-de-cana. Foi concebida no formato de “moeda”, colocada em cavidades evisceradas (G1) ou enucleadas (G2) de 21 coelhos, sacrificados aos 7, 30 e 90 dias após a cirurgia. O material foi preparado para exame de microscopia óptica, corado por hematoxilina/eosina. Sua biocompatibilidade foi estudada por meio de exame clínico diário e avaliação histológica.

RESULTADOS:
Os animais apresentaram sinais flogísticos discretos no período pós-operatório imediato, não tendo sido foi evidenciados sinais infecciosos. Não houve extrusão de nenhuma inclusão. Porém a aparência foi de redução de volume durante o experimento. Histologicamente o G2 aos 7 dias apresentou células inflamatórias (predominantemente monócitos e neutrófilos), rede de fibrina e hemácias. A Nanoskin apresentava-se como pequenas esferas, de cor rósea, com pequenos espaços entre elas, permeados por escassas células inflamatórias. Aos 90 dias, a estrutura da inclusão apresentava-se desorganizada, amorfa, com restos necróticos e com áreas ovoides, revestidas por fina membrana rósea, que pareciam se agrupar, vazias ou preenchidas por material acelular, róseo ou acinzentado. As células inflamatórias se modificam, sendo possível observar aos 90 dias células gigantes multinucleadas e fibroblastos maduros permeando a inclusão. No G1, a mesma resposta inflamatória foi verificada, agora revestida pela esclera colabada.

CONCLUSÕES:
A Nanoskin é um biomaterial que incita reação inflamatória que leva à reabsorção e redução do volume da inclusão. Esta constatação não a recomenda para o tratamento de cavidade anoftálmica.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web