• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Sessão de Encontro com Autor

Código: P 097
Apresentação: Oral, segunda opção Pôster
Área Técnica: Retina
Categoria / Classificação: Oftalmologia Clinica
Região onde foi realizada a pesquisa: Sul

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

CONEP:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
ANÁLISE DA ESPESSURA DA CORÓIDE EM PACIENTES COM DIABETES E MICROALBUMINÚRIA USANDO OCT DE DOMÍNIO ESPECTRAL

OBJETIVO:
Analisar a espessura da coróide em pacientes com diabetes (DM) e microalbuminúria usando tomografia de coerência óptica (OCT) de dominio espectral

MÉTODO:
Pacientes com DM tipo 2 e sem retinopatia diabética clinicamente significativa foram divididos em dois grupos (micro- vs. normoalbuminúria) no Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) e submetidos a exame oftalmológico completo, retinografia e OCT. A espessura da coróide foi avaliada usando OCT Spectralis (Heidelberg Engineering Co, Alemanha) com o modo enhanced depth imaging (EDI). Foram realizadas 10 medidas da coróide em intervalos de 500 µm até 2.500 µm temporal e nasal à fovea. Duração do DM, hemoglobina glicada, HAS e tabagismo foram também avaliados. Modelos de generalized estimating equation (GEE) foram usados para analisar a influência dessas variáveis nas medidas da espessura da coróide.

RESULTADOS:
Foram incluidos 62 olhos de 33 pacientes. A espessura média da coróide foi mais fina em pacientes com microalbuminúria, e demonstrou ser significativamente diferente na região subfoveal, a partir de 500 µm nasal até 2.000 µm temporal à fóvea. A espessura média de coróide subfoveal diferiu significativamente entre os grupos normo- e microalbuminúria (284,03 ± 12,56 µm vs 228,87 ± 14,44 µm, P = 0,001). Nenhuma associação independente foi encontrada após análise de modelos de regressão multivariada.

CONCLUSÕES:
Este estudo mostrou que a coróide é significativamente mais fina em pacientes diabéticos com microalbuminúria, especialmente na região subfoveal e temporal à fóvea. A espessura de coróide afinada em pacientes com DM e microalbuminúria pode ser um sinal de dano microvascular para o olho, antes mesmo de dano para os vasos da retina torna-se clinicamente evidente.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web