• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Sessão de Encontro com Autor

Código: P 101
Apresentação: Pôster
Área Técnica: Retina
Categoria / Classificação: Oftalmologia Clinica
Região onde foi realizada a pesquisa: Sudeste

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

CONEP:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
ESTUDO DO FLUXO CAROTÍDEO EM INDIVÍDUOS COM MACROANEURISMA RETINIANO.

OBJETIVO:
Avaliar a ocorrência da doença aterosclerótica da circulação arterial carotídea em pacientes com macroaneurisma retiniano.

MÉTODO:
Os pacientes foram selecionados no ambulatório de retina do HSPE. O diagnóstico do macroaneurisma retiniano (MA) foi feito através de exame clínico de fundo de olho complementado com angiofluoresceinografia. Foram submetidos ao exame de ultrassonografia com Doppler de carótida no setor de radiologia do Hospital do Servidor Público Estadual por um único examinador. No exame foram avaliados o grau de espessamento intimal das carótidas através de 16 medidas, a presença de placas ateroscleróticas e alterações anatômicas como o acotovelamento (Kinking) das carótidas.

RESULTADOS:
Foram avaliados 13 pacientes em um total de 15 MAs. Placas ateromatosas foram observadas em 11 pacientes (84,6%) do estudo.Em todos, o acometimento das carótidas foi bilateral. O espessamento intimal maior do que 0,1cm foi observado em 11 (84,66%) pacientes no estudo e em todos eles essa alteração deu-se de maneira bilateral nas carótidas comuns. O aumento da espessura intimal bilateral foi observado em nove (81,8%) dos pacientes que no exame de ultrassonografia apresentavam placas ateroscleróticas. A presença de "kinking" foi encontrada em 4 pacientes (30,7%). Quatro pacientes do estudo (30,7%) apresentaram no Doppler espessamento intimal aumentado, placas e "kinking" das carótidas.

CONCLUSÕES:
Espessamento intimal aumentado parece ser o fator isolado mais associado ao MA, podendo ser um preditor de tal doença vascular retiniana, assim como já é para acidentes cardio e cerebrovasculares. O doppler de carótidas poderia ser utilizado como preditor de risco vascular nos pacientes com MA, identificando àqueles com maior risco de evolução para IAM/AVC e que assim deveriam ter o seu tratamento clínico mais otimizado.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web