• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 051
Área Técnica: Estrabismo

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
USO DE ESTATINAS GERANDO DIPLOPIA SECUNDÁRIA À MIOSITE DE MÚSCULOS EXTRA-OCULARES.

OBJETIVO:
Relatar caso raro de diplopia secundária ao uso de estatinas

RELADO DE CASO:
Relato do caso: Paciente do sexo feminino, 84 anos, caucasiana, natural e procedente de São Paulo, procura serviço hospitalar com queixa de diplopia há 30 dias. Nega baixa acuidade visual súbita ou dor.
AO: facectomia em ambos os olhos há 2 anos, sem intercorrências
AP: HAS, Hipercolesterolemia, sob acompanhamento clínico
Exame oftalmológico:
Rx: OD Plano Acuidade 1,0
OE - 0,5DE -0,5DC (180) Acuidade 1,0 p
Biomicroscopia: Pseudofácica AO, sem outras alterações.
Fundoscopia: Drusas perivasculares, mácula com cor e brilho preservados, sem outras alterações.
Prisma e cover: presença de esotropia de 10 dioptrias
Ducções: Sem Alterações
Exames subsidiários: RMN e TC Crânio sem alterações
Conduta: após exclusão de possíveis causas (quais causas excluir?) optou-se por suspensão das estatinas por 30 dias, após contato com clínico geral da paciente que concordou com a conduta.
A paciente evoluiu com melhora da diplopia após 3 semanas, desaparecendo após 30 dias.

CONCLUSÕES:
O caso relatado corrobora, com os 256 casos de diplopia e ptose relacionados com o uso de estatinas, que a mesma tem efeito adverso nos músculos extra-oculares e levantador da palpebra, podendo gerar miosite. Não é esclarecido seu exato mecanismo de ação, porém sabe-se que que há remissão dos sintomas após suspensão do medicamento (efeito adverso dose-dependente), além do risco de miopatia ser maior com a coadministração de certos medicamentos, como ciclosporina, fibratos, bloqueadores do canal de cálcio entre outros.
A miopatia associada às estatinas tem baixa freqüência, acometendo aproximadamente 0,08% dos pacientes em uso de lovastatina e sinvastatina, porém deve-se sempre ser questionado o seu uso durante uma anamnese para exclusão durante elucidação de diagnóstico diferencial de miosite.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web