• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 213
Área Técnica: Uveites / AIDS

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
ESCLERITE ANTERIOR E POSTERIOR POR TUBERCULOSE

OBJETIVO:
Descrever uma manifestação incomum de Tuberculose Ocular.

RELADO DE CASO:
C.M.L., 39 anos, natural e procedente de Escada-PE, foi atendido no serviço de Emergência com quadro de dor ocular importante associado à hiperemia e baixa visual no olho direito. Ao exame, apresentava acuidade visual com correção (AVcc) no olho direito (OD) de 20/150 e no olho esquerdo (OE): 20/20. Biomicroscopia do OD com hiperemia conjuntival 1+ difusa e nodulação escleral fixa e dolorosa em quadrante temporal superior associado à hiperemia violácea de 3+ e reação de câmara anterior de 1+; olho esquerdo sem alterações. Realizado teste de fenilefrina com resultado negativo. Mapeamento de retina (MR) do OD demonstrou presença de nervo óptico hiperemiado e levemente borrado, fluído subretiniano macular, peridiscal e descolamento seroso periférico de retina ; OE sem alterações.(Figura 1) Iniciado anti-inflamatório não hormonal oral e corticóide tópico. Exames complementares revelaram PPD de 35MM, Ultrassonografia ocular (USG) apresentou fluido subtenoniano posterior e descolamento seroso periférico de retina e a Tomografia de Coerência óptica (OCT) confirmou a presença de fluído subretiniano em área macular.(Figura 2,3) Iniciado tratamento específico para Tuberculose e , em seguida, corticóide oral em dose imussupressora. Paciente evoluiu com resolução completa da dor e, após 1 mês de tratamento, apresenta AVcc 20/40, biomicroscopia sem alterações (Figura 4) e MR com leve hiperemia do nervo óptico, mácula sem edema e ausência de descolamento seroso. A USG e OCT confirmam os achados do novo exame. (Figura 5,6). Segue em tratamento específico e em desmame do corticóide oral.

CONCLUSÕES:
A Tuberculose ocular é uma manifestação incomum, porém o diagnóstico deve ser sempre aventado diante de uma história clínica sugestiva, achados oculares compatíveis e evidências laboratoriais do Mycobactrium tuberculosis.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web