• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 105
Área Técnica: Oncologia

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
CARCINOMA SEBÁCEO COM ACOMETIMENTO CORNEANO

OBJETIVO:
Relatar um caso de carcinoma sebáceo com apresentação atípica.

RELADO DE CASO:
Paciente de 50 anos, do sexo feminino, procedente de zona rural, encaminhada com conjuntivite cicatricial em olho direito associada a lesão infiltrativa palpebral com cerca de um ano de evolução. Havia realizado diversos tratamentos tópicos (antibióticos, corticóides, anti-histamínicos e estabilizadores de mastócitos) sem melhora. Ao exame, lesão pouco ulcerada com bordas infiltradas na margem palpebral superior e inferior direita; apresentava a córnea direita totalmente conjuntivalizada com encurtamento de fórnice e fibrose subepitelial. A acuidade visual com a melhor correção era de movimento de mãos. A impressão diagnóstica inicial foi de doença cicatricial da conjuntival, não sendo excluídas a possibilidade de carcinoma sebáceo ou paracoccidioidomicose palpebral. Os exames laboratoriais, incluindo pesquisa de autoanticorpos (FAN, FR, anti-Ro e anti-La) e radiografia de tórax não apresentaram alterações. Uma biópsia de fórnice conjuntival inferior foi realizada, evidenciando acentuada reação inflamatória linfoplasmocitária e imunofluorescência negativa. Nova biópsia, agora palpebral, identificou carcinoma sebáceo com distribuição pagetóide invadindo musculatura e conjuntiva bulbar. Realizada exenteração de órbita direita, com boa evolução pós-operatória. Anatomopatológico confirmou diagnóstico e mostrou invasão corneana.

CONCLUSÕES:
Carcinoma de células sebáceas é um tumor agressivo visto mais comumente na pálpebra. Uma vez que ele mimetiza clinicamente outras doenças torna-se de difícil diagnóstico. Entretanto, o diagnóstico correto é crucial, já que se trata de uma lesão maligna que possui associação com a síndrome de Muir-Torres e tem alto potencial para metástases locais e à distância. Cabe ao oftalmologista manter alta suspeição clínica para alcançar este diagnóstico desafiador.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web