• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 162
Área Técnica: Retina

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
DISTROFIA PADRÃO MULTIFOCAL SIMULANDO FUNDUS FLAVIMACULATUS

OBJETIVO:
Relatar e discutir caso de Distrofia Padrão Multifocal simulando fundus flavimaculatus (DPMsFF) por análise de prontuário de paciente da Clínica Anhembi, Mogi das Cruzes - SP, janeiro 2014.

RELADO DE CASO:
N.D.C.S., feminino, 47 anos, branca, professora, natural e procedente de Mogi das Cruzes, queixou discreta baixa de acuidade visual (BAV) progressiva havia 5 anos. Hígida, sem história ocular pessoal de importância. Avós maternos primos em 1º grau. Negou comemorativo ocular nos familiares. Exame: 20/20 J1 em ambos olhos (AO) (+0,50DE AO; Add.: +1,75DE AO). Tonometria: 14mmHg AO (10h00). Biomicroscopia: normal. Fundoscopia (FO) e retinografia: lesões retinianas amareladas pisciformes parcialmente interconectadas dispersas no polo posterior AO (fig. 1). Angiofluoresceinografia (AF): lesões estreladas hipofluorescentes envoltas por hiperfluorescência, sem silêncio coroideo (fig. 2). Eletrorretinograma (ERG) multifocal: anormal AO (fig. 3).

CONCLUSÕES:
O achado retiniano ocasional tardio (47 anos), discreta BAV e boa evolução desta paciente condizem com a história natural da DPMsFF descrita na literatura. A aparência bilateral na FO requer diferencial com Doença de Stargardt (DS), que tem apresentação precoce (1ª-2ª décadas de vida) e evolução ruim (atrofia macular). Ratificada na bibliografia, a AF deste relato descreve lesões estreladas hipofluorescentes (bloqueio) envoltas por hiperfluorescência (janela); ainda, a coroide não se apresenta escura. Ao contrário, há silêncio coroideo na DS. Fontes consultadas corroboram o achado (sub)normal do ERG desta paciente. Na histopatologia da DPMsFF, há depósito membranoso tubulovesicular no EPR. Na DS, lipofuscina é o material depositado. Em suma, DPMsFF é doença de herança autossômica dominante (mutação: gene Periferina/RDS) que simula fundus flavimaculatus. Seu diagnóstico é ocasional, na 4ª-5ª décadas. De evolução bilateral, simétrica e benigna, apresenta pobreza de sintomas e ótimo prognóstico visual.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web