• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 027
Área Técnica: Córnea

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
ÚLCERA DE CÓRNEA PÓS TRANSPLANTE EM PORTADORA DE CÓRNEA ANESTÉSICA

OBJETIVO:
A ceratite infecciosa é uma complicação grave da ceratoplastia penetrante. A incidência é baixa, entre 1,7% a 4,9% 1-4,mas, a morbidade ocular é alta, levando a perda da transparência do enxerto em muitos casos que acabam por requerer reintervenção cirúrgica1,3. Dentre as alterações oculares que contribuem para esta complicação, a anestesia corneana é um importante fator de risco que freqüentemente não é diagnosticada no exame de rotina. Relata-se um caso de úlcera de córnea pós transplante em paciente com córnea anestésica por anestesia do nervo trigêmeo pós acidente vascular cerebral.

RELADO DE CASO:
I.A.S., 56 anos, feminino, doméstica, diabética, com artrite reumatóide e leucoma corneano central de causa desconhecida há 10 anos em OD, com AV com correção CD ante-face, além de, hipoestesia de hemiface direita e anestesia corneana de OD pós AVC. Realizou transplante de córnea penetrante, sem intercorrências, alcançando AV de 20/40 no 30º PO. Após 60 dias iniciou com infiltrado estromal corneano às 12hs respeitando os limites do botão transplantado. Foi introduzido tratamento de amplo espectro. Evoluiu com piora da AV ( PL), infiltrado estromal difuso, melting superior e frouxidão dos pontos, impossibilitando a visualização de pólo posterior. Realizado USG ocular sem alterações. Na bacterioscopia houve positividade para gram +, sem crescimento na cultura. Apesar do tratamento específico evoluiu com perfuração do botão, sendo indicado retransplante de córnea.

CONCLUSÕES:
A ceratoplastia penetrante em córneas anestésicas possui maior chance de complicações, como as infecciosas, devendo ser considerada a tarsorrafia temporária ou definitiva no ato cirúrgico. Assim, uma vez que, há relativa escassez de publicações a respeito, analisa-se o caso enfocando a importância do oftalmologista ter como rotina a avaliação da sensibilidade corneana para prevenir complicações tardias.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web