• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 149
Área Técnica: Retina

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
ATROFIA PARAVENOSA RETINOCOROIDIANA IDIOPÁTICA UNILATERAL

OBJETIVO:
Descrever caso de atrofia pigmentar paravenosa retinocoroidiana idiopática unilateral

RELADO DE CASO:
Paciente do sexo feminino, 32 anos, branca, oriental, procedente de São Paulo.Queixava-se de baixa acuidade visual (AV) em ambos os olhos(AO). Negava antecedentes. Seu histórico oftalmológico revelava cirurgia refrativa (LASIK) em AO há 10 anos, com graduação prévia desconhecida. Ao exame oftalmológico apresentava refração estática no olho direito (OD): -1,25DE -0,50 DC165° e no olho esquerdo(OE): Plano -1,25 DC145°. A AV corrigida era 20/20 em AO. Biomicroscopia: normal e PIO de 12 mmHg em AO. Fundoscopia revelou no OD: vítreo claro, papila com escavação 0,8 X 0,7, mácula normal, vasos normais, retina colada. No OE: vítreo claro, papila com escavação 0,4 x 0,4, mácula sem alterações e atrofia associada a pigmentações puntiformes retinocoroidiana acompanhando arcadas com discreta constrição vascular difusa

CONCLUSÕES:
A atrofia retinocoroidiana pigmentada paravenosa (ARPP) é uma doença caracterizada por atrofia localizada da coroide, epitélio pigmentado e da retina neurosensorial externa associada a áreas de pigmentação em espícula óssea depositada ao longo do trajeto das veias.A causa é desconhecida, geralmente bilateral e com curso imprevisível. O quadro é assintomático e o diagnóstico baseado na aparência do fundo característico. A maioria são esporádicos e detectados no sexo masculino, na proporção de 4:1.Alguns estudos sugerem que ARPP tem origem congênita outros sugerem uma degeneração retiniana primária.Também tem sido associada com mutações no gene CRB1 humano, que é conhecido por causar outras distrofias retinianas.
Há descrições de serem secundários à causa inflamatória, ou infecciosa.
Neste estudo demonstramos um caso unilateral, idiopático, em paciente do sexo feminino, com AV preservada. O objetivo deste estudo é informar aos oftalmologistas dos possíveis quadros associados à esta lesão retiniana.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web