• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 059
Área Técnica: Geral

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
MACULOPATIA ASSOCIADA A FOSSETA DE DISCO OPTICO. REMISSAO ESPONTANEA. A PROPOSITO DE UM CASO CLINICO

OBJETIVO:
Apresentar caso de maculopatia (Edema Macular) associado a fosseta de disco óptico e sua remissão espontânea

RELADO DE CASO:
Feminino, 30 anos, deu entrada no serviço em janeiro de 2012 com baixa de acuidade visual (AV) em olho direito (OD) há 8 meses. Ao exame, AV com correção OD de conta dedos há 2 metros, fundoscopia com fosseta de disco óptico temporal inferior e elevação da região macular. Tomografia de coerência óptica (OCT) revelava descolamento da retina neurossensorial com cistos intraretinianos e presença de buraco macular lamelar. Foi indicada vitrectomia posterior com troca fluido-gás, porém a paciente não realizou o procedimento. Foi acompanhada clinicamente por 2 anos, apresentando melhora da acuidade visual para 20/40 com metamorfopsias, sem realização de qualquer tratamento.
A fosseta congênita do DO é uma anormalidade rara, ocorrendo em aproximadamente 1:11000. É geralmente única e unilateral, tipicamente localizada no setor temporal do DO. A AV é boa e permanece inalterada, a menos que ocorra um descolamento seroso macular.
O descolamento associado à fosseta de papila tem etiologia indeterminada. São 3 as possíveis origens do líquido subretiniano: movimento de líquido do humor vítreo através da fissura da fosseta, o fluxo de líquido cefalorraquidiano proveniente do espaço subaracnóide; e o vazamento de líquido dos coriocapilares periféricos à fosseta. As terapêuticas apontadas são a exclusiva fotocoagulação a laser na borda temporal do DO, injeção de gás intravítrea, terapia combinada de laser com injeção de gás intravítrea , e vitrectomia com tamponamento e gás, com ou sem laser.
A despeito de qualquer tratamento a AV da paciente relatada melhorou de conta dedos há 2 metros para 20/40 após 1ano e meio de acompanhamento.

CONCLUSÕES:
A maculopatia associada a fosseta de DO pode apresentar remissão espontânea significativa a despeito de qualquer tratamento.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web