• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 206
Área Técnica: Retina

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
VASCULOPATIA POLIPOIDAL DA CORÓIDE

OBJETIVO:
Descrever o caso de uma doença frequentemente sub-diagnosticada, de evolução variável e que acarreta perda visual severa.

RELADO DE CASO:
Identificação: DV, 84 anos, sexo masculino, branco, natural e procedente de São José do Rio Pardo- SP, aposentado, casado.
QPD: "Perda de visão progressiva OE há 2 anos". Relata já ter perdido visão OD há 6 anos de forma semelhante e que "toma vitaminas para a vista"
AP: HAS, injeção intra-vítrea Ranibizumabe OE há 3 meses.

Em Fevereiro 2014, acuidade visual era conta-dedos a 2 metros OD e 0,15 OE; para perto: menor que Jaegger 6 bilateral. Biomicroscopia: olho calmo, córnea clara; OD catarata moderada, OE pseudofacia. PIO: 12/10 mmHg. Oftalmoscopia Indireta: OD: retina aplicada, Esc 0,4x0,4, lesão fibrótica macular com nódulo alaranjado adjacente; OE: retina aplicada, Esc 0,4x0,4, elevação macular e lesão fibrótica peridiscal elevada com 3 nódulos alaranjados adjacentes. Angiografia por Indocianina Verde: OD: sem alterações; OE: 3 pontos de hiperfluorescência nodular típica adjacente ao nervo óptico com dilatação de formato polipoidal na margem do complexo vascular. Tomografia de coerência óptica: OD: desorganização de estrutura retiniana foveal com 2 áreas hiperrrefletivas de elevação do complexo EPR-coriocapilar; OE: desorganização da estrutura retiniana peridiscal com área hiperrefletiva extensa de elevação do complexo EPR-coriocapilar, associado a DR neurossensorial que se estende até a fóvea. Indicado terapêutica com 3 injeções intra- vítreas de Ranibizumab

CONCLUSÕES:
Vasculopatia Polipoidal da Coróide é uma entidade clinica caracterizada por descolamentos serossanguinolentos múltiplos e recorrentes do EPR que comumente se assemelham a descolamentos hemorrágicos que ocorrem na DMRI. A diferenciação é realizada com base na Angiografia por Indocianina Verde. Cerca de 10 % dos pacientes brancos com diagnóstico presumido DMRI neovascular, na verdade apresentam VPC.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web