• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 018
Área Técnica: Córnea

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
PLACÓIDE PIGMENTADO DO ENDOTÉLIO CORNEANO PERIFÉRICO (PPPCE)

OBJETIVO:
Relatar um caso de diagnóstico presumido de Placóide Pigmentado do Endotélio Corneano Periférico (PPPCE) em um olho sem comorbidades, sem história oftalmológica de trauma, inflamação, cirurgias ou tumores. Apenas quatro casos foram encontrados na literatura mundial.

RELADO DE CASO:
M.L.B., 58 anos, branca, natural e residente de Limeira-SP, compareceu ao serviço de Oftalmologia da Santa Casa de Limeira – SP para consulta oftalmológica de rotina com queixa de baixa acuidade visual (BAV) para perto. Negava qualquer história oftalmológica pessoal ou familiar relevante, bem como qualquer patologia sistêmica. A acuidade visual para longe com correção foi de 20/20 em ambos os olhos (AO) (refração: +2.50 AO) e para perto de Jaeger 1 (adição +2.50 AO). À biomicroscopia não apresentou alterações, exceto pela presença de lesão endotelial pigmentada no quadrante nasal inferior de 1.5 x 4.0mm, no olho esquerdo. A pressão intraocular era de 14mmHg AO e o exame de fundo de olho mostrava-se sem quaisquer alterações. Foi sugerido o diagnóstico de Placóide Pigmentado do Endotélio Corneano Periférico (PPPCE). Exames complementares mantiveram os padrões encontrados em uma série de quatro casos recentemente publicados. A paciente foi reavaliada em intervalos mensais inicialmente e, atualmente, em intervalos semestrais, sem mudanças nos exames.

CONCLUSÕES:
Até o presente momento, não se encontrou casos similares de PPPCE em revisão da literatura PUBMED, além dos quatro citados. Da mesma forma, uma revisão em livros didáticos não revelou casos semelhantes. Embora de etiologia ainda desconhecida, sua morfologia e localização sugerem uma proliferação ectópica de melanócitos do estroma da íris ou epitélio pigmentar. Até o acompanhamento atual, as lesões não revelaram modificações a partir do diagnóstico inicial, nem associação com outras alterações oculares ou sistêmicas, sugerindo uma patologia ocular não progressiva e benigna.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web