• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 167
Área Técnica: Retina

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
ENDOFTALMITE FÚNGICA CRÔNICA APÓS CIRURGIA ABDOMINAL: RELATO DE CASO

OBJETIVO:
Relatar caso de endoftalmite fúngica crônica após procedimento cirúrgico abdominal.

RELADO DE CASO:
AKF, 47 anos, masculino, residente em Itapoá/SC, procurou a emergência oftalmológica do HRSJ com encaminhamento para vitrectomia posterior via pars plana (VVPP) em olho direito, por endoftamite fúngica (confirmada por hemocultura), em vigência de tratamento sistêmico há seis meses, sem sucesso. Durante internação hospitalar para cirurgia abdominal por hérnia diafragmática, anos após ferimento por arma branca, o paciente começou a apresentar moscas volantes em ambos os olhos. Negava cirurgias oculares ou comorbidades. Ao exame oftalmológico, apresentava acuidade visual em olho direito (OD) de conta dedos a 50 cm e em olho esquerdo (OE) sem percepção luminosa. À biomicroscopia, OD mostrava sinais de uveíte anterior e OE com pupila arreativa, neovasos de íris, sinéquias posteriores e catarata branca. À fundoscopia, OD com retina aplicada, turvação vítrea 4+/4, floculações esbranquiçadas, sem lesões coriorretinianas evidentes e exame inviável em OE. Optado por realização de VVPP e injeção intravítrea de anfotericina B em olho direito. Paciente apresentou melhora clínica parcial e permanece em acompanhamento.

CONCLUSÕES:
A endoftalmite endógena representa menos de 8% dos casos. Ocorre pela disseminação hematogênica de bactérias ou fungos de foco infeccioso extra-ocular ou de acessos venosos ou agulhas contaminados. Além da baixa visual e sinais de vitreíte, a presença de lesão coriorretiniana esbranquiçada ou floculações vítreas caracteriza o quadro. Na suspeita, a hemocultura deve ser realizada para confirmação. O diagnóstico definitivo é pela identificação do micro-organismo, sendo a vitrectomia o método mais sensível. Sempre que possível, deve-se colher material intra-ocular para estudo antes de se iniciar o tratamento que, se iniciado precocemente, pode melhorar significativamente o prognóstico visual.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web