• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 143
Área Técnica: Propedêutica

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
REVISÃO DE CONDUTA EM FÍSTULAS CARÓTIDO-CAVERNOSA: MELHORA ESPONTÂNEA E TRATAMENTO EMBOLIZANTE-RELATO DE DOIS CASOS

OBJETIVO:
Relatar e comparar dois casos de fístula carótido-cavernosa(FCC)espontâneas,com evolução e tratamentos distintos.

RELADO DE CASO:
CASOI: masculino, 78 anos, apresentava hiperemia conjuntival, quemose, proptose e acuidade visual (AV) de 20/200há 30 dias em olho esquerdo (OE). Pressão intraocular (PIO) 13 OD e 30 OE e fundo de olho(FO) normal. Tomografia computadorizada (TC) mostrava espessamento da veia oftálmica superior(VOS). Arteriografia compatível com fístula entre ramos durais da artéria carótida externa (ACE) bilateralmente e artéria carótida interna(ACI) esquerda para o seio cavernoso (SC)– (tipo D). Apósa embolização, opaciente apresentou AV 20/70 e melhora clínica.
CASOII: feminino, 58 anos, há 7 dias com cefaléia e dor em OE. Apresentava proptose, olho congelado, edema palpebral, injeção conjuntivalcom tortuosidade dos vasos, quemose,PIO 10 OD e 16 OE e FO sem alterações. A TC revelou achados específicos de fístula, o que não foi confirmado na arteriografia. A paciente evoluiu com melhora espontânea da proptose e movimentação ocular. Nova TC confirmou adilatação da VOS e proptose, porém, com a expressiva melhora clínica e PIO de 12mmHg o tratamento conservador foi escolhido e procedimentos hemodinâmicos contra indicados.

CONCLUSÕES:
As FCC acontecem pela comunicação de um ramo artérial carotídeo ao SC causando fluxo sanguíneo orbitário retrógrado causando uma dilatação na VOS. Estatísticamente, a clinica de proptose e hiperemiaocular ocorre em 90% dos casos,diplopia, BAV e glaucoma em 50%, enquanto sopro cefálico e dor aparecem em 25%. Barrow et.al,classificou as fistulas em tipo A, B, C e D relacionando a origem dos vasos fistulizados.Conhecer a clínica e as alterações radiológicas favorece o diagnóstico precoce pelo oftalmologista. A arteriografia é o exame padrão-ouro por evidenciar o tamanho e o débito das fístulas.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web