• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 003
Área Técnica: Catarata

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
RELATO DE CASO E REVISÃO DE ESTRABISMO PÓS –FACOEMULSIFICAÇÃO COM ANESTESIA PERIBULBAR

OBJETIVO:
O objetivo do trabalho é relatar o caso de uma senhora que apresentou estrabismo e diplopia após facoemulsificação com anestesia peribulbar e fazer revisão bibliográfica sobre o assunto (incidência, causas, tratamento).

RELADO DE CASO:
O caso a ser relatado ilustra uma paciente de 63 anos, parda, submetida a facoemulsificação com bloqueio peribulbar bilateral sem intercorrências e sintomas de diplopia vertical após a cirurgia do 2º olho e sem história prévia de estrabismo. O desvio desenvolvido foi uma hipotropia D/E de 6 prismatropias. Evoluiu com regressão espontânea dos sintomas e alinhamento ocular total após 60 dias.

CONCLUSÕES:
Diplopia vertical persistente ocorre como uma rara complicação da cirurgia de catarata, devido à anestesia retro ou peribulbar. A perda de alinhamento ocular incide em aproximadamente 7% dos pacientes operados de catarata submetidos a essas formas de anestesia. Nestes, a diplopia alcança uma taxa de 0,23 a 0,98%.
O músculo mais comumente afetado é o reto inferior. Outras causas incluem descompensação de estrabismo pré-existente, causa refrativa, aparecimento de patologia sistêmica simultânea, diplopia monocular ou causas desconhecidas.
A principal explicação encontrada para o achado nestes casos é a alteração estrutural dos músculos extra-oculares, causando sua paresia ou restrição. Isto ocorre pela injeção parcial do anestésico no interior do músculo, causando edema e sangramento, aumento de volume e restrição funcional. Nesta fase ainda é possível a reabsorção total da lesão, com completo desaparecimento do estrabismo. Entretanto, caso a reabsorção completa não aconteça, o músculo pode evoluir com fibrose parcial ou total e redução funcional permanente.
Nos demais casos, onde o estrabismo persiste, os tratamentos possíveis incluem prismas, injeção de toxina botulínica, e cirurgia de estrabismo.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web