• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 082
Área Técnica: Neuroftalmologia

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
HIPERTENSÃO INTRACRANIANA SECUNDÁRIA À FÍSTULA ARTERIOVENOSA DURAL COM MANIFESTAÇÃO VISUAL INICIAL

OBJETIVO:
Relatar um caso de hipertensão intracraniana secundária à fístula arteriovenosa dural com manifestação visual inicial.

RELADO DE CASO:
Um paciente de 59 anos, apresentava há três anos início de embaçamento visual bilateral progressivo, obscurecimento visual transitório diário e zumbido ocasional. Negava cefaléia, náuseas, vômitos ou diplopia. À avaliação neuro-oftalmológica apresentou-se com a acuidade visual corrigida em OD de 20/25 e em OE de 20/30, ao teste de Ishihara em OD 10/10 e em OE 01/10, ao teste de sensibilidade ao contraste por Sloan Letter Charts com redução generalizada em ambos os olhos, campo visual por confrontação e tela de Amsler com dificuldade na informação dos hemicampos inferiores bilateralmente. Ortofórico. Pupilas fotorreagentes com defeito pupilar aferente relativo em OE. Biomicroscopia revelava sem alterações. No entanto, a fundoscopia apresentava-se em OD com disco óptico róseo, cheio, com limites imprecisos com maior elevação da porção inferior do disco e em OE com disco óptico pálido de limites imprecisos globalmente. Tortuosidade vascular moderada bilateralmente. A imagem por ressonância magnética de encéfalo e de órbitas revelou-se com achado de inúmeras estruturas vasculares filiformes distribuídas por todo parênquima encefálico, aumento do espaço perineural dos nervos ópticos com sela túrcica vazia. O exame de angioressonância revelou fístula arteriovenosa dural bilateral. A análise laboratorial do líquor era normal com aumento da raquimanometria.

CONCLUSÕES:
O paciente apresenta história de hipertensão intracraniana secundária ao achado incomum de fístula arteriovenosa dural do SNC. O prévio reconhecimento da condição clínica de hipertensão intracraniana e a realização de exames apropriados como a angioressonância teriam evitado o dano visual e, ainda, o retardo do encaminhamento para reparação neurovascular.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web