• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 221
Área Técnica: Uveites / AIDS

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
PAPILITE SECUNDÁRIA À INFECÇÃO POR CITOMEGALOVÍRUS EM PACIENTE HIV POSITIVO

OBJETIVO:
Relatar caso de acometimento atípico do pólo posterior por citomegalovírus (CMV).

RELADO DE CASO:
J.A.G, 48 anos, sexo masculino, foi admitido com quadro de pneumocistose e monilíase esofágica, recebendo diagnóstico de HIV. Na ocasião, com carga viral de 54.222 cópias/ml e CD4 3 cópias/µL.
Doze dias após a internação, evoluiu com baixa de acuidade visual em olho direito. A acuidade visual era de movimento de mãos em olho direito e 0,8 em olho esquerdo. Biomicroscopia sem alterações.
À fundoscopia, observou-se, no olho direito, edema difuso de papila, hemorragias retinianas redondas difusas, áreas de ingurgitamento venoso e palidez retiniana no pólo posterior, além de áreas extensas de alterações pigmentares, com aspecto de sal e pimenta, sugerindo lesões prévias de retinite sem atividade. Ao redor dessas lesões antigas, observou-se manchas algodonosas e hemorragias perivasculares em chama de vela, indicando processo ativo de retinite.
No olho esquerdo, áreas semelhantes de alteração pigmentar foram evidenciadas abaixo da arcada temporal inferior.
A angiofluoresceinografia mostrou hipofluorescência por bloqueio por hemorragias retinianas no disco e edema macular difuso, associados à hiperfluorescência tardia por pooling petalóide foveal no olho direito.
A carga viral para CMV realizada por PCR de amostra de sangue resultou em 13.626 cópias/ml.
Após o início de ganciclovir venoso, as hemorragias de disco e o edema de papila e mácula regrediram, porém sem melhora da acuidade visual.

CONCLUSÕES:
O paciente descrito foi acometido por CMV intraocular, gerando um quadro típico de retinite associado a um quadro atípico de papilite pelo vírus. O diagnóstico foi presumido baseado nas características das lesões retinianas, na presença de PCR positivo para CMV no sangue e na resposta ao tratamento direcionado.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web