• Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa
  • Imagem ilustrativa

Programação » Relatos de Caso (Poster)

Código: RC 139
Área Técnica: Plástica Ocular

INSTITUIÇÃO ONDE FOI REALIZADO O TRABALHO:

AUTOR PRINCIPAL:

CO-AUTOR(ES):

TÍTULO:
TRANSPOSIÇÃO DE TARSO COMO OPÇÃO CIRÚRGICA PARA O TRATAMENTO DE PTOSE PALPEBRAL EM PACIENTES COM DISTROFIA MUSCULAR

OBJETIVO:
Descrever o acometimento palpebral em pacientes com diferentes distrofias musculares e as técnicas cirúrgicas adotadas para a correção da ptose consequente da patologia.

RELADO DE CASO:
Serão relatados 4 casos de ptose secundária a distrofias musculares. O primeiro caso é de uma paciente de 52 anos, com Distrofia Miotônica de Steinert e ptose bilateral, progressiva e assimétrica. Foram realizadas 2 diferentes técnicas de correção, com elevação da pálpebra superior ao músculo frontal no lado direito e resecção de aponeurose com transposição de tarso superior para a pálpebra inferior a esquerda. O outros 3 casos também são no gênero feminino e foi realizada a ressecção da aponeurose do elevador da pálpebra superior associada à transposição de tarso superior para a pálpebra inferior para correção da ptose. A segunda e a terceira paciente apresentavam ptose bilateral secundária a Miopatia Mitocondrial, com idades de 14 e 71 anos. O quarto caso é uma paciente com 31 anos e Miastenia Gravis, já submetida à correção cirúrgica de ptose aos 21 anos com ressecção de aponeurose, e foi optado por nova ressecção aponeurótica com transposição de tarso bilateral. Todas elas tiveram o eixo visual desobstruído, e um bom resultado estético, com um acomentimento corneano aceitável para casos com reflexo de Bell ausente.

CONCLUSÕES:
Portadores de distrofias musculares apresentam manifestações oculares distintas, dentre elas a ptose palpebral. Na grande maioria, a ptose é bilateral e variadas técnicas cirúrgicas podem ser selecionadas. A retirada do tarso superior com sua implantação na pálpebra inferior é um bom recurso para conseguir uma fenda palpebral menor com uma consequente menor exposição corneana. A ptose inversa gerada possibilita a proteção corneana após a liberação do eixo visual.

Realização Realização - CBO
Organização/Comercialização Secretaria Executiva - ASSESSOR Secretaria Executiva - MAIS EVENTOS
Agência Oficial Agência de Viagens - Luck Viajens
Agência Web Agência Web - Inteligência Web